garagens

Garagens em grandes cidades: tendência X realidade

garagens em grandes cidades tendência realidade

Qual a importância que as garagens estão tomando, seja na compra/venda ou na locação de um imóvel? Hoje em dia, com os diferentes estilos de vida e novas necessidades, comprar ou locar um imóvel sem garagem não é mais tão atípico. Muitos empreendimentos imobiliários têm acompanhado essa tendência nos últimos anos e são construídos sem vagas de garagem.

Esse fato deve- se a diversos fatores. Em primeiro lugar, porque muitas pessoas já não têm mais a intenção de ter um veículo individual, eliminando a necessidade de vagas de garagens nos empreendimentos. Outro fator significativo é a utilização de outros meios de locomoção em algumas metrópoles, com criação de corredores de ônibus, ciclo faixas e linhas de metrô. Além disso, há também a utilização de veículos compartilhados, o uso de aplicativos ou a locação de veículos.

Apesar de o Plano Diretor, junto com a Lei de Zoneamento não estar 100% implantada em Curitiba, cidades como São Paulo possuem parâmetros e mudanças na forma de desenvolver a cidade, desestimulando o uso de carros em áreas com alternativas de transporte.

Adalberto Scherer Filho, diretor
da Cibraco Imóveis

Para o diretor da Cibraco Imóveis, Adalberto Scherer Filho, a diminuição do número de garagens nos imóveis é uma questão de racionalidade. “O carro já deixou de ser objeto de desejo das pessoas, e hoje temos outras formas de mobilidade além do automóvel. Porém, essa tendência ainda não se aplica a Curitiba”, explica.

Segundo Scherer Filho, as grandes incorporadoras já estão substituindo o espaço da garagem por espaços com outra utilidade. “Além disso, prédios maiores, de alto padrão, em Curitiba, já estão sendo projetados com apenas três garagens, quando antes tinham em média cinco”, ressalta o diretor. Imóveis com mais vagas de garagens costumam ser mais valorizados, e exigem investimento maior por parte dos compradores.

Já as construtoras com empreendimentos direcionados às classes com renda mais baixas, como o Minha Casa Minha Vida, também já estão levando em conta este aspecto.

Realidade curitibana

Apesar dessa atitude de não utilizar automóvel e a diminuição do número de garagens ser uma tendência mundial, a capital paranaense ainda não está acompanhando esta nova modalidade “Aqui em Curitiba não vemos esse movimento ainda. Apesar de as vagas de garagem estarem diminuindo elas acompanharam a evolução da sociedade, com um aumento expressivo, e agora, tendem a decrescer”, completa Scherer Filho.

Rafael Fraga Alves, consultor comercial da Baggio Imóveis

Para o consultor comercial de locação da Baggio Imóveis, Rafael Fraga Alves, para o mercado imobiliário de Curitiba, a garagem ainda é uma comodidade e uma segurança.

“A existência de garagem no imóvel chega a ser, aqui em Curitiba, um fator primordial para a locação. Pelo menos uma vaga precisa ter. Assim como a vaga compartilhada muitas vezes é motivo de desistência da locação”, conta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *